A nossa história


Júlio da Silva Oliveira e Manuel dos Santos Carvalho

Manuel_dos_Santos_CarvalhoA Igreja Evangélica Lisbonense (IEL) tem origem na obra evangelizadora de Júlio Francisco da Silva Oliveira (1844-1911), português convertido na Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro e que começou a realizar reuniões de evangelização em sua casa na rua José Estêvão e, mais tarde, na rua de Angra do Heroísmo. Foi aí que, a 19 de Junho de 1898, se constituiu a Igreja Evangélica de Lisboa.

A esta comunidade juntaram-se os membros da igreja fundada por Manuel dos Santos Carvalho (1821-1916), que, por volta de 1890, passara a colaborar com a Igreja Evangélica Fluminense (Rio de Janeiro). Esta adotara em 1876 a declaração de fé de Robert Reid Kalley, a Breve Exposição das Doutrinas Fundamentais do Cristianismo. Formou-se então a Missão Evangelizadora do Brasil e Portugal (MEBP), que enviou para Portugal Henry Maxwell Wright (1849-1931).

A influência metodista

Aquando da fusão das duas comunidades José Augusto dos Santos e Silva (1863-1940) passou a colaborar no trabalho pastoral da nova igreja, que, no entanto, solicitou colaboração aos Metodistas de Robert Moreton para se dotar de um pastor a tempo inteiro. Nesse quadro, foram pastores Arthur H. Wilks (1900-1903) e T. Simpson (1903-1907).

Pastor-José-Augusto-dos-Santos-e-SilvaA adesão ao congregacionalismo

No fim de 1907, a igreja lisbonense deixou a colaboração com os Metodistas e recorreu a uma colaboração mais estreita com a MEBP, optando em 12 de Janeiro de 1908 pelo governo congregacional, adotando também a Breve Exposição como seu “catecismo”. Tornou-se pastor José Augusto dos Santos e Silva (até 1940).

No seguimento da lei de “separação do Estado das Igrejas” de 20 de Abril de 1911, constituiu-se a Associação Mantenedora do Culto da Igreja Evangélica Lisbonense e Suas Missões, cujo estatuto foi aprovado pelas autoridades administrativas do distrito de Lisboa [Diário do Governo n.º 274, II série, de 25.11.1915, novamente reconhecidos em 1926, de acordo com o Art.º 6.º do decreto 11:887, de 6.7.1926] e ainda hoje vigora.

A IEL fundou entre 1908 e 1952 mais de 20 missões na área de Lisboa, muitas das quais se tornaram igrejas congregacionais autónomas. Em 1925, foi inaugurado o edifício atual da igreja, na rua Febo Moniz, n.º 17, onde funcionava também a Associação de Beneficência Evangélica (fundada em 1927). Entre 1940 e 1947, foi seu pastor Eduardo Henriques Moreira (1886-1980), só substituído em 1949 por Aureliano Lino Pires, que contribuiu para a aproximação à recém-constituída Igreja Evangélica Presbiteriana de Portugal (IEPP).

Eduardo_MoreiraA associação à Igreja Presbiteriana

Em 1952, após demorada hesitação da assembleia dos membros comungantes, a IEL associou-se à IEPP, conservando embora a sua autonomia estatutária e administrativa e a adesão à Breve Exposição. Em 1959 foi aberta a missão da Damaia.

Foram pastores da IEL neste período: Latham E. Wright (entre 1951 e 1956), Carlos Augusto de Vasconcelos (de 1956 a 1973), José da Silveira Salvador (entre 1973 e 2010) e Luís de Matos (desde 2010).